Após fechamento da Ford, Audi negocia para reabrir fábrica no Brasil em 2022

Após fechamento da Ford, Audi negocia para reabrir fábrica no Brasil em 2022

Venezuela está sob “emergência humanitária complexa”, diz ONG norte-americana
Maioria da 2ª Turma do STF nega recurso para soltar Lula
Homem morre atropelado depois de sofrer acidente em Casca

A decisão de fechamento das fábricas da Ford no Brasil pode acelerar um processo de reabertura da fábrica de outra montadora concorrente no país, a alemã Audi.

O diretor de relações institucionais e sustentabilidade da Audi do Brasil, Antonio Calcagnotto, afirmou que, se a negociação em curso com o governo Bolsonaro der certo, a empresa pode retomar operações no país.

A Audi foi uma das que desativou a produção em solo nacional depois da crise econômica das montadoras, que piorou em 2020, em plena pandemia do coronavírus.

A visão interna na Audi é de que a péssima notícia da Ford, com a potencial demissão de 5 mil pessoas, possa forçar o governo federal a rever as condições econômicas para montadoras no Brasil, o que abriria espaço para que a alemã reabrisse a fábrica no interior do Paraná, desativada no fim do ano passado.

“O governo poderia refletir como manter investimentos automotivos no Brasil, é uma indústria de cadeia extensa e importante”, disse Calcagnotto, sem mencionar a decisão da Ford.

Executivos do mercado automobilístico do país criticam o nível e a complexidade de impostos para o setor e pedem uma ‘política industrial automotiva’, com incentivos para que montadoras possam voltar a operar no país sob ajuda do governo.

No caso da Audi, a única fábrica no país era a de São José dos Pinhais, no interior do Paraná. Ela era responsável pela produção do antigo A3 Sedan.

Com cerca de 40 empregos diretos gerados, o número de postos de trabalho não chega perto do somado pelas três fábricas da Ford. No entanto, o nível de tecnologia trazida da Europa exige profissionais altamente capacitados.

Na mesa de negociações com o governo Bolsonaro estão créditos de IPI do extinto programa ‘Inovar-Auto’, que a empresa diz ter pago além do que era devido por condições da proposta que vigorou entre 2012 e 2017 – e quer de volta do governo.

“Se tudo der certo, a gente sinceramente acha que tem condições de retomar produção no Brasil”, diz Calcagnotto.

É que o Inovar-Auto impôs uma alíquota adicional de 30% sobre o IPI de carros importados, mas prometeu que devolveria o dinheiro para empresas que expandissem a produção nacional.

É esse dinheiro cobrado pela Audi como uma ‘sinalização à matriz’ para que a empresa decida novamente por produzir no país, uma vontade da filial brasileira da montadora alemã.

O diretor da filial brasileira da empresa alemã disse que, caso o dinheiro fosse devolvido, um novo modelo de veículo da Audi poderia ser produzido no Brasil.

Internamente, a empresa calcula que sejam necessários pelo menos seis meses para a concluir a negociação desse imbróglio com o governo federal e abrir o caminhar para voltar a operar.

Ainda está aberta uma negociação com o governo do Paraná, para facilitar os trâmites para uma eventual reabertura da unidade de Pinhais.

 

*Fonte: Planalto Neews

Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by