Pela primeira vez, RS tem bandeira preta no mapa do distanciamento controlado

Pela primeira vez, RS tem bandeira preta no mapa do distanciamento controlado

John Deere suspende atividades em 6 unidades pelo Brasil por causa do coronavírus
Média móvel de mortes por Covid-19 tem 7º dia seguido de queda no RS; total de óbitos chega a 4.782
Dez pacientes recuperados do coronavírus recebem alta de hospital de Passo Fundo

Pela primeira vez desde a implementação do modelo de distanciamento controlado, o Rio Grande do Sul tem regiões em bandeira preta. Nesta sexta-feira (11), Bagé e Pelotas foram classificadas como de alto risco epidemiológico para a Covid-19 no mapa preliminar.

Mapa do distanciamento controlado no RS de 11 de dezembro — Foto: Governo do RS/Divulgação

Mapa do distanciamento controlado no RS de 11 de dezembro — Foto: Governo do RS/Divulgação

A constante redução de leitos de UTI livres e o aumento de casos de contágio e de internação por coronavírus resultaram na classificação. As demais regiões estão quase todas em bandeira vermelha, exceto Cruz Alta, que está em bandeira laranja.

O estado teve aumento em quase todos os indicadores monitorados pelo comitê de crise do governo. Houve elevação, nos últimos sete dias, de 14% em hospitalizações por Covid-19 (de 1.174 para 1.338 casos), o maior número desde o início do monitoramento.

Também é o número mais elevado de pacientes em UTI, em leitos clínicos e de óbitos. As mortes cresceram 15% nesta semana, chegando a 409 registros. Como resultado, há o menor número de leitos livres (407).

Municípios e associações podem enviar pedidos de reconsideração até as 6h de domingo (13). Depois de analisados, o governo divulgará as bandeiras definitivas na segunda (14) e fica vigente de 15 a 21 de dezembro.

O que muda com a bandeira preta

A bandeira preta não signfica lockdown, ou o fechamento geral das atividades. Porém, estabelece uma série de medidas mais restritivas a fim de evitar a disseminação do vírus.

Entre os protocolos de bandeira preta que as cidades nessas regiões devem adotar estão:

  • Comércio não essencial – fechado
  • Comércio atacadista e varejista – 25% trabalhadores
  • Comércio varejista de produtos alimentícios (mercados, açougues, fruteiras, padarias e similares) e combustíveis – 50% trabalhadores
  • Educação – ensino remoto
  • Serviços de construção, obras de infraestrutura e indústria de alimentos – 75% trabalhadores
  • Indústria de bebidas – 50% trabalhadores
  • Indústria de fumo, vestuário, calçados e similares – 25% trabalhadores
  • Transporte coletivo – 50% trabalhadores
  • Feiras, exposições, festas, academias, piscinas, clubes sociais e esportivos, competições esportivas, pet shops, barbearias e salões de beleza – fechado
  • Missas – 25% trabalhadores, sem presença de público
  • Restaurantes – tele-entrega e pegue e leve

Regiões do Sul do RS estão com bandeira preta no mapa de distanciamento controlado

Razões da piora na Zona Sul

As regiões de Bagé e Pelotas, conhecidas como Macrorregião Sul, compreendem 28 municípios com 9,3% da população gaúcha.

Em relação ao número de óbitos, Pelotas é a mais expressiva, registrando 41 mortes confirmadas por Covid-19 nesta semana, quase o dobro se comparado com a semana passada (23 óbitos). Bagé registrou mais 10 mortes nesta semana, o mesmo indicador da rodada anterior. Contudo, quintuplicou os registros na comparação com a semana retrasada, quando houve duas mortes.

Enquanto na 26ª rodada, um mês e meio atrás, foram 22 registros, na atual, são 87. De forma similar, Bagé apresenta aumento desde a 28ª semana, um mês atrás, quando houve cinco hospitalizações – nesta, foram 23.

A macrorregião Sul registrou também aumento em termos de ocupação de leitos de UTI, tanto para casos de Covid-19 (de 38 para 50) como por síndrome respiratória aguda grave (SRAG), de 54 para 74.

Com isso, houve redução de 50% na oferta de leitos livres para tratamento intensivo na região, que agora está com 15 unidades – na semana anterior eram 30 e, na retrasada, 35.

Ainda para a macrorregião Sul, o indicador relacionado à capacidade de atendimento piorou no comparativo entre as semanas. O percentual de pacientes confirmados para Covid-19 em leitos de UTI, com relação aos leitos livres, aumentou novamente. Enquanto na semana passada havia 0,79 leito de UTI livre para cada leito de UTI ocupado por paciente Covid-19, nesta semana o indicador passou para 0,30 – número mais baixo entre todas as macrorregiões e da série histórica de todo o modelo.

*Fonte: G1

Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by