Dólar em alta deve motivar agricultores a formar boas lavoura na próxima safra de verão

Foto: Diário da Manhã

Dólar em alta deve motivar agricultores a formar boas lavoura na próxima safra de verão

BC determina que visa e Mastercard suspendam uso de WhatsApp para pagamentos
Prefeitura de Não-Me-Toque, aguarda liberação de recursos para construção da Ponte de Posse São Miguel
“Não é volta à normalidade”, diz Leite, ao apresentar modelo de distanciamento social controlado

Embora as atenções dos produtores ainda estejam voltadas para as culturas de inverno que estão em desenvolvimento, a safra de verão já começa a ser planejada. Por causa da estiagem, vários contabilizaram prejuízos na colheita de soja e milho mais recente, mas isso não deve ser um empecilho para que os produtores diminuam os investimentos no momento do plantio.

É o que pensa o presidente do Sindicato Rural de Carazinho, Leomar Tombini. “O agricultor está otimista para a próxima safra. Muitos tiveram prejuízos este ano por conta da seca, mas com o preço das commodities valorizado em função da alta do dólar as esperanças se renovam”, disse ele.

“Entendo que, inclusive, o produtor está mais cedo procurando por uma boa semente. Ele não quer aquela caseira, quer ter qualidade. Isso é um reflexo de que ele está buscando fazer uma ótima lavoura”, acrescentou.

Outro aspecto positivo, constatado por Tombini, é que os insumos não tiveram tanta alta de preços, mesmo com a alta do dólar, o que repercutirá em um menor custo da lavoura e, por consequência, um lucro um pouco maior no final.

“Os insumos não acompanharam tanto o dólar. Por exemplo, no ano passado, nesta época, estávamos vendendo soja a R$ 70 a saca, hoje algo em torno de R$ 105. Então, houve um aumento percentual no preço pago no grão e os insumos subiram um pouco menos , ainda temos uma vantagem de 20%. É um momento bom para se investir”, contextualizou.

Incremento na venda de insumos

Guilherme Quadros, gerente da unidade do Grupo Toniato em Carazinho, diz que a expectativa é que as vendas de insumos alcancem pelo menos o mesmo patamar do ano passado, ou tenha incremento de até 5%. Segundo ele, os meses de maior movimento são agosto e setembro, mas é em setembro que se poderá avaliar o tamanho da safra considerando o movimento. A unidade carazinhense às margens da BR 285 dobrou o tamanho de suas instalações para anteder a demanda futura.

*Diário da Manhã 

Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by