Polícia investiga possível participação de outras pessoas em morte de menino de Planalto

FOTO: Alina Souza

Polícia investiga possível participação de outras pessoas em morte de menino de Planalto

Contas da Corsan sobem 11,45% a partir desta sexta
Polícia de Nova York se mobiliza por causa de panelas de pressão
Mega-Sena acumula e prêmio pode chegar a R$ 34 milhões

Apesar da confissão pela mãe da morte do menino Rafael Mateus Winques, de 11 anos, na cidade Planalto, no Norte do Rio Grande do Sul, a Polícia Civil garantiu nesta terça-feira, em entrevista coletiva, que a investigação do crime não está encerrada. De acordo com o delegado Joerbeth Nunes, responsável pela apuração do assassinato, os investigadores tentam descobrir a possível participação de outras pessoas.

Nunes relatou na conferência com jornalistas que o pai biológico, o padrasto e outros familiares já prestaram depoimentos. O trabalho policial, porém, segue e depende também do resultado da necropsia do corpo de Rafael Winques. A perícia poderá determinar a causa da morte, ainda que a mãe tenha relatado à Polícia Civil que teria administrado Diazepam.

Conforme Nunes, o comportamento da mãe levantou suspeitas desde o começo da investigação, período em que até então o caso era tratado como um desaparecimento.Em contato com a Rádio Guaíba, a chefe da Polícia Civil corroborou a declaração do delegado. “Ficou estranho para nós o fato de que logo após o desaparecimento do filho a mãe procurou o Conselho Tutelar e não a Polícia Civil”, argumentou.

*Correio do Povo
Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by