Governo confirma 621 casos do novo coronavírus e fala em epidemia nacional

Governo confirma 621 casos do novo coronavírus e fala em epidemia nacional

Covid-19: 500 mil kits de teste rápido chegam ao Brasil
Oito pessoas que tiveram coronavírus em Porto Alegre já estão curadas
Secretaria de Saúde de Não-Me-Toque adota mudanças no atendimento das unidades de saúde

O Ministério da Saúde atualizou seu balanço de vítimas do novo coronavírus no país nesta quinta-feira (19). Agora são 621 casos confirmados e 6 mortes de acordo com as estatísticas divulgadas pela pasta. Até quarta-feira eram 428 infectados com 4 óbitos.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, destacou o caráter nacional da doença e afirmou que, com exceção da região Norte, há aumentos sistemáticos em todo o país.

“O que poderia ser um brote em uma região, em uma cidade, em uma localidade, parece que está aumentando em bloco em todos os estados. Parece uma coisa em relação a um cenário muito mais de característica nacional do que regional”, disse Mandetta.

“E isso deve ficar muito mais claro nas próximas semanas, o que vai aumentar, o que vai eventualmente alterar para mais ou para menos as nossas previsões de casos, nossa necessidade de fazer a expansão do sistema”, completou.

O ministro explicou, no entanto, que a característica da COVID-19 no país não é, ao menos por enquanto, de alta letalidade individual. Em São Paulo, por exemplo, onde foram registrados os primeiros óbitos, a taxa é de 1%. Ele explicou ainda 98% dos infectados “vão bem” e outros 2% são muito graves.

Mandetta alertou que “para cada um dos confirmados deve ter um número de não confirmados” e que os registros atuais “são só ponta do iceberg”, o que justifica a necessidade de “se fazer travas”, com restrições já adotadas.

“Estamos no pé da montanha. Vamos começar a subir agora. O que eu colocaria nesse gráfico [exibido na entrevista, com o número de mortes por região] é qual o percentual de subida. Como o vírus tem 14 dias, o que fizemos 14 dias atrás, com pico 7 dias atrás, é o que reflete”, completou ele, em referência ao período máximo de incubação do novo coronavírus.

“Alguns estados, como Mato Grosso, não têm casos, mas devem manter a vigilância alta”, afirmou. Para o ministro isso pode significar que o vírus não está circulando na região ou que as autoridades de saúde ainda não detectaram a situação.

Transmissão sustentada

De acordo com o ministro, o Brasil tem “transmissão sustentada” da doença em ao menos 7 estados. Essa transmissão foi identificada em São Paulo e Pernambuco; no sul de Santa Catarina (região de Tubarão) e em três capitais: Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. A transmissão comunitária se dá quando não é mais possível saber quem passou o vírus para quem.

“O Brasil vai trabalhar com os números verdadeiros, aqui vai ser bem científico”, disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ao divulgar os números atualizados.

Mais casos

O estado de São Paulo continua como o principal foco da doença no país, com 286 casos e 4 mortes. Depois, vem o estado do Rio de Janeiro, com 65 casos e 2 mortes. Ao todo, 21 estados já registraram casos do COVID-19, dos quais ao menos oito com transmissão sustentada de novo coronavírus.

Pouco antes de o ministério divulgar os números, o governo paulista confirmou a sétima morte de um paciente com o novo coronavírus no Brasil, a quinta no estado. A vítima ainda não entrou na contagem divulgada pelo governo federal.

Com informações do Estadão Conteúdo e CNN Brasil.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by