“Só erra quem faz”, diz Eduardo Leite

Conta de luz deve seguir na bandeira amarela, com chance de avançar à verde
Trump recebe Bolsonaro na Casa Branca
67% têm orgulho de ser brasileiro e 29%, vergonha, diz Datafolha

O governo do Estado confirmou, na manhã desta terça-feira, que desistiu das medidas anunciadas para o IPVA de 2020. O governador Eduardo Leite assegurou que o imposto poderá ser pago em parcelas até o mês de abril, da mesma forma como foi em 2019. O anúncio foi feito após uma reunião com deputados estaduais da base aliada. Os parlamentares reagiram à decisão do Executivo, que havia determinado o pagamento do imposto em parcela única no mês de janeiro.

Assumindo a responsabilidade pelo ocorrido, Leite reconheceu que houve falha de gestão política. “Só erra quem faz, só expõe – e mais se expõe – aqueles que mais fazem”, admitiu. Defendendo os atos do Piratini, o governador afirmou que houve incompreensão ao ato do IPVA. “Eu sempre digo que nós temos que compreender a incompreensão das pessoas”, completou Leite.

Medidas “duras e amargas”

O governador reafirmou ter confiança na equipe da Secretaria da Fazenda, que fez o anúncio das mudanças nesta segunda-feira. No entanto, Eduardo Leite destacou que o Rio Grande do Sul seguirá adotando ações “duras” para conter a crise, referindo-se às reformas administrativa e previdenciária. “Diante do tamanho do que nós precisamos fazer para o Estado, a questão do calendário do IPVA perdeu em tamanho na nossa análise política”, ponderou.

Eduardo Leite respondeu a críticas de que faltaria “sensibilidade” ao governo. O chefe do Executivo citou demandas que recebe, como redução de impostos, chamamento de concursados, asfaltamento de estradas, reajustes e pagamento de salários em dia. “Eu sempre repito a essas pessoas: não me falta sensibilidade, me falta dinheiro”.

Eduardo Leite ainda lembrou o papel dos deputados estaduais na revisão da medida. O chefe do Executivo garantiu que dialoga com os membros do Legislativo. O governador projetou, para 2020, a discussão de temas como a reforma tributária, incentivos fiscais e o próprio imposto veicular. O programa de renegociação do ICMS, também anunciado pela Secretaria da Fazenda, será mantido pelo governo.

Com informações de Gustavo Chagas, Rádio Guaíba. 

Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by