Assessor do ministro do Turismo é preso em operação que investiga candidaturas laranjas do PSL

Assessor do ministro do Turismo é preso em operação que investiga candidaturas laranjas do PSL

Brasil já tem 206 milhões de habitantes, diz IBGE
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 105 milhões
Bolsonaro anuncia permanência de Wagner Rosário, como ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União

Um assessor especial do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi preso na manhã desta quinta-feira (27) na investigação da Polícia Federal sobre supostas candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais. Mateus Von Rondon foi detido em Brasília. Além dele, foi preso em Ipatinga um dos coordenadores da campanha de Álvaro Antônio no estado, Roberto Silva Soares, conhecido como Robertinho.

A PF deflagrou a operação em Aimorés e Ipatinga, na Região do Vale do Rio Doce, e em Brasília. Chamada de Sufrágio Ostentação, a ação cumpre mandados de busca e apreensão e de prisão temporária.

Os suspeitos são investigados pelos crimes de falsidade ideológica eleitoral, emprego ilícito do fundo eleitoral e associação criminosa.

 Prisão do assessor

Policiais chegaram por volta de 5h40 na residência de Von Rondon, em Brasília. Ele foi encaminhado para a superintendência da Polícia Federal em Brasília por volta das 7h40.

A empresa de Von Rondon aparece na prestação de contas de quatro candidatas a deputada estadual e federal suspeitas de terem sido usadas como laranjas pelo PSL de Minas.

Ao todo, Lilian Bernardino, Naftali Tamar, Débora Gomes e Camila Fernandes declararam ter pago quantia de R$ 32 mil à empresa de Mateus Von Rondon. De acordo com a PF, ao que tudo indica, a empresa foi criada só para esta finalidade, pois foi fechada logo após o fim das eleições.

Investigações

De acordo com as investigações, o partido, que é o mesmo do presidente Jair Bolsonaro, teria repassado recursos de financiamento de campanha de forma irregular a candidatas.

As quatro mulheres suspeitas teriam sido usadas para desviar dinheiro do fundo eleitoral. Elas tiveram votações pouco expressivas, embora tenham recebido dinheiro da sigla, o que levantou a suspeita de uso de candidaturas laranjas.

Desde fevereiro deste ano, a Justiça de Minas Gerais apura supostas irregularidades.

*TV Globo — Belo Horizonte
Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by