Governo nega reajuste, mas abre diálogo com CPERS

Governo nega reajuste, mas abre diálogo com CPERS

Corsan encaminha isenção da Tarifa Social
EUA suspendem importações de carne bovina brasileira
Inverno começa nesta quinta-feira com instabilidade no Rio Grande do Sul

A pretendida recomposição das perdas inflacionárias, de 28,78%, referentes a quatro anos de salários congelados do magistério público estadual, não será concedida brevemente. Este foi o recado que o governador Eduardo Leite deu à categoria nesta segunda-feira, em reunião que participou, acompanhado de secretários de governo, com a direção do Cpers/Sindicato, no Centro Administrativo do RS, na Capital.

O governador disse que a prioridade é colocar os vencimentos em dia, antes de falar em reajuste. Segundo ele, a reivindicação representará custo superior a R$ 3 bilhões. “Um impacto grande nas contas do Estado, que está lutando para colocar o salário dos servidores em dia.” Entre as estratégias para cumprir essa meta estão: privatizações, e revisão de carreiras e previdência dos servidores estaduais, que “devem dar condições de acesso ao regime de recuperação fiscal e de obter crédito e financiamentos para colocar o fluxo de caixa em dia”.

Para a presidente do Cpers, Helenir Schürer, “apesar da crise, o governador não disse ‘não’, definitivamente, a um reajuste; como também não disse ‘sim’ a nossos pedidos”. De acordo com a dirigente, nesta primeira reunião era fundamental “que o governo não fechasse a porta”. Para Helenir, ao contrário do governo José Ivo Sartori, que não manteve diálogo com os educadores, o atual momento é mais aberto: “Acho que a reunião foi positiva, no momento em que vem todo o primeiro escalão do governo, e onde eles não dizem, de forma definitiva, que não terá reposição”.

Uma nova reunião foi marcada para 13 de maio, quando serão apresentados dados técnicos sobre a situação financeira do Estado e possibilidades para atender às demandas. Além da reposição e do pagamento em dia, o Cpers cobra a realização de concursos públicos. Mas o governador deixou claro que, agora, esta possibilidade está descartada, explicando que o trabalho é para que todos os professores estejam em sala de aula, o que se dará por meio de contratos emergenciais.

Para o Cpers, a negociação é importante, mas a paralisação, no dia 2 de maio, foi mantida e a greve é instrumento não descartado.

*Correio do Povo 
Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by