Consórcio pode ser até cinco vezes mais barato que financiamento

Consórcio pode ser até cinco vezes mais barato que financiamento

Cármen Lúcia diz que preso custa mais que um estudante para o governo
Senado aprova lei que permite ao usuário acumular dados de internet não utilizados
Ministério da Saúde define regras de isolamento e quarentena no Brasil

Quem busca adquirir a casa própria ou um novo automóvel sabe que o mercado pode impor algumas dificuldades. As taxas de juros de um financiamento e o valor de entrada necessário para começar a pagar as parcelas, na maioria das vezes, são fatores decisivos para a desistência de um negócio. Para aqueles que não têm pressa de se mudar – ou motorizar – o consórcio pode ser uma boa alternativa, eliminando a necessidade de pagar juros e entrada.

Para se ter uma ideia, segundo o Banco Central, a  taxa média de juros nos financiamento de um imóvel, por exemplo, giram entre 9% e 10% ao ano. Enquanto isso, os consórcios cobram taxas administrativas menores: de, em média, menos de 2% ao ano e sem cobrança de juros. Ou seja, em média a taxa de juros do financiamento custa até cinco vezes mais do que a taxa de administração do consórcio.

O consórcio  é uma modalidade de crédito para aquisição de bens, sejam eles casas, apartamentos ou automóveis. O grande diferencial para outros tipos de financiamento é que o consórcio é organizado por um grupo, no qual todos os integrantes contribuem com uma quantia definida todo o mês durante certo período, criando uma poupança conjunta. A cada mês, até o final deste período, uma ou mais pessoas são contempladas e recebem o valor necessário  – definido na criação do grupo – para comprar seu imóvel. O sorteio define apenas a ordem dos participantes a serem contemplados, pois ao final do tempo estipulado todos serão contemplados.

O crédito total da cota é parcelado no prazo de pagamento do plano, estipulado no ato de assinatura do contrato. Mensalmente, os consorciados pagam suas parcelas, que formam o saldo de caixa para contemplar seus integrantes ao longo da vigência do grupo. Ou seja: no final do consórcio cada um terá pago o valor combinado no início, sem juros. Além disso, não é preciso pagar um valor de entrada. Ao contrário do financiamento imobiliário, que exige o pagamento de uma parte do imóvel à vista, no consórcio não é preciso ter um montante inicial além da primeira parcela.

FONTE: Gaúcha Zh

 

Os comentários de terceiros são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by