Cinco anos da tragédia da boate Kiss são marcados por homenagens e comoção em Santa Maria

Cinco anos da tragédia da boate Kiss são marcados por homenagens e comoção em Santa Maria

Operação prende quatro pessoas e apreende armas e drogas em Tupanciretã
Empresário é preso em flagrante por posse irregular de arma de fogo em Passo Fundo
Motorista de táxi é assaltado, ameaçado de morte e tem veículo roubado em Passo Fundo

A noite que antecede o 27 de janeiro — data em que a tragédia na boate Kiss completa cinco anos — foi marcada mais uma vez por comoção em Santa Maria. As homenagens aos 242 mortos no incêndio começaram na Praça Saldanha Marinho, no Centro, com a exibição do documentário “Depois Daquele Dia” produzido pela jornalista e irmã de vítima Luciane Treulieb.

Durante 51 minutos, familiares, amigos de vítimas e comunidade assistiram impactados e emocionados o filme que mostra os legados deixados pela tragédia contados pela narrativa da diretora e irmã de Aloísio Treulieb — vítima do incêndio — e por outros 10 entrevistados que tiveram algum tipo de envolvimento com o fato:

— O documentário foi feito para ser uma memória da tragédia. A gente espera que várias pessoas assistam para evitar que isso se repita em outros lugares — declarou Luciane.

Depois da exibição, o grupo saiu em caminhada pelo Centro, em um percurso de três quadras até a frente do prédio onde funcionava a boate Kiss, na Rua dos Andradas. Cada participante carregava uma vela e a expressão de solidariedade. No caminho também foram realizadas orações. Momentos de comoção que dividiram espaço com o pedido incansável de justiça.

O estudante Tomás Weber, 18 anos, perdeu o primo no incêndio e acredita que a dor deve ser o impulso para a luta em busca da responsabilização dos culpados pelo incêndio:

— O meu primo não vai mais voltar. Todos esses jovens não vão mais voltar, a história infelizmente acabou e a gente continua aqui lutando. Não vou deixar que meu primo tenha morrido em vão, não vou deixar que nenhum dos jovens tenha morrido em vão. Vou continuar lutando até o último momento.

Em frente à boate, familiares mantinham viva a lembrança dos filhos que há cinco anos saíram para se divertir e não voltaram mais para casa. Para dar apoio e suporte nesse cenário que fez todos reviverem momentos dramáticos e igualmente dolorosos, equipes da Cruz Vermelha, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e Centro de Valorização à Vida (CVV) acompanharam as atividades que se estenderam até o início da madrugada deste sábado (27).

Acompanhado da namorada, o sobrevivente Delvani Brondani Rosso, 25 anos, participou das homenagens, como faz todos os anos, com o propósito de estender a mão a quem perdeu alguém no incêndio:

— Já me acostumei. Todos os anos venho aqui. Passo todos os dias por aqui e consigo conviver com essa fachada e com as lembranças. Eu venho para ajudar quem precisa, para dar forças para as mães dos meus amigos que faleceram. Não são muitos sobreviventes que vem aqui, então eu faço questão de estar presente nessas atividades.

Um dos pontos mais emocionantes marcou o fim das atividades, por volta da 1h. Depois de rezarem o Pai Nosso, fazerem o tradicional minuto do barulho com palmas, foi tocado o som de sirenes, simbolizando o momento em que o fogo teria começado na casa noturna. Ao fim, todos fizeram um abraço coletivo, representando a união.

Foi pensando nesses momentos, de conforto e carinho, repassados por meio dos abraços recebidos, que a Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM) decidiu trocar a pintura da fachada da boate por uma imagem que representa a união. Sentimento que conforta e os aproxima dos filhos, conforme relatou emocionado o vice-presidente da AVTSM e pai de vítima, Flávio da Silva:

— Com o passar do tempo aumenta a saudade, o sofrimento, principalmente quando chega na época, se aproximando do dia 27. Hoje, mais uma vez, recebemos o apoio e o abraço de boa parte da comunidade. Isso é muito importante para nós.

O DIA 27

As atividades seguem ao longo deste sábado (27). Às 9h será lançado o edital, pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-RS), do concurso público nacional — que escolherá uma proposta arquitetônica — para a construção de um memorial em homenagem às vítimas. O ato será no Salão Azul do Centro Universitário Franciscano (Unifra), na mesma Rua dos Andradas. O memorial deve ser construído no prédio onde funcionava a casa noturna.

Ao longo do dia, estão previstas também outras atividades. O encerramento da programação está marcado para as 20h30min, com um toque coletivo de sinos. Na sequência, amigos e familiares das vítimas soltarão balões em homenagem aos mortos.

FONTE: Gaucha ZH

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by